quarta-feira, 26 de maio de 2010

Capitalismo selvagem

O Fascismo Financeiro, Boaventura Sousa Santos, Visão, 06/05/ 2010

"Há doze anos publiquei, a convite do Dr. Mário Soares, um pequeno texto (Reinventar a Democracia) que, pela sua extrema actualidade, não resisto à tentação de evocar aqui. Nele considero eu que um dos sinais da crise da democracia é a emergência do fascismo social. Não se trata do regresso ao fascismo do século passado. Não se trata de um regime político mas antes de um regime social. Em vez de sacrificar a democracia às exigências do capitalismo, promove uma versão empobrecida de democracia que torna desnecessário e mesmo inconveniente o sacrifício. Trata-se, pois, de um fascismo pluralista e, por isso, de uma forma de fascismo que nunca existiu. Identificava então cinco formas de sociabilidade fascista, uma das quais era o fascismo financeiro. E sobre este dizia o seguinte."
O fascismo financeiro é talvez o mais virulento. Comanda os mercados financeiros de valores e de moedas, a especulação financeira global, um conjunto hoje designado por economia de casino. Esta forma de fascismo social é a mais pluralista na medida em que os movimentos financeiros são o produto de decisões de investidores individuais ou institucionais espalhados por todo o mundo e, aliás, sem nada em comum senão o desejo de rentabilizar os seus valores. Por ser o fascismo mais pluralista é também o mais agressivo porque o seu espaço-tempo é o mais refractário a qualquer intervenção democrática. Significativa, a este respeito, é a resposta do corretor da bolsa de valores quando lhe perguntavam o que era para ele o longo prazo: "longo prazo para mim são os próximos dez minutos". Este espaço-tempo virtualmente instantâneo e global, combinado com a lógica de lucro especulativa que o sustenta, confere um imenso poder discricionário ao capital financeiro, praticamente incontrolável apesar de suficientemente poderoso para abalar, em segundos, a economia real ou a estabilidade política de qualquer país.
A virulência do fascismo financeiro reside em que ele, sendo de todos o mais internacional, está a servir de modelo a instituições de regulação global crescentemente importantes apesar de pouco conhecidas do público. Entre elas, as empresas de rating, as empresas internacionalmente acreditadas para avaliar a situação financeira dos Estados e os consequentes riscos e oportunidades que eles oferecem aos investidores internacionais. As notas atribuídas - que vão de AAA a D - são determinantes para as condições em que um país ou uma empresa de um país pode aceder ao crédito internacional. Quanto mais alta a nota, melhores as condições. Estas empresas têm um poder extraordinário. Segundo o colunista do New York Times, Thomas Friedman, «o mundo do pós-guerra fria tem duas superpotências, os EUA e a agência Moody's». Moody's é - uma dessas agências de rating, ao lado da Standard and Poor's e Fitch Investors Services. Friedman justifica a sua afirmação acrescentando que «se é verdade que os EUA podem aniquilar um inimigo utilizando o seu arsenal militar, a agência de qualificação financeira Moody's tem poder para estrangular financeiramente um país, atribuindo-lhe uma má nota».
Num momento em que os devedores públicos e privados entram numa batalha mundial para atrair capitais, uma má nota pode significar o colapso financeiro do país. Os critérios adoptados pelas empresas de rating são em grande medida arbitrários, reforçam as desigualdades no sistema mundial e dão origem a efeitos perversos: o simples rumor de uma próxima desqualificação pode provocar enorme convulsão no mercado de valores de um país. O poder discricionário destas empresas é tanto maior quanto lhes assiste a prerrogativa de atribuírem qualificações não solicitadas pelos países ou devedores visados. A virulência do fascismo financeiro reside no seu potencial de destruição, na sua capacidade para lançar no abismo da exclusão países pobres inteiros.
Escrevia isto a pensar nos países do chamado Terceiro Mundo. Não podia imaginar que o fosse recuperar a pensar em países da União Europeia.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

As "sociedades" barranquenhas

As sociedades da praça

Na Vila de Barrancos existem mais de duas dezenas de associações, com os mais variados objectivos sociais, entre as quais as colectividades recreativas situadas na Praça da Liberdade: a Sociedade Recreativa e Artística Barranquense (SRAB), também conhecida por Sociedade dos Rapazes ou Sociedade dos Pobres (foto da esquerda) e a Sociedade União Barranquense (SUB), conhecida por Sociedade dos Ricos (foto da direita).











A Sociedade dos Rapazes (SRAB), fundada em 31/05/1919 e reconstruída em 1959,tem sede própria, sendo constituída actualmente por sala de entrada, onde se encontra o bilhar, sala de jogos, sala de TV, corredor, área de bar/bufete, cozinha e pequeno logradouro com WC, tudo no rés-do-chão, e ainda por um amplo salão em todo o primeiro andar, onde se encontram também duas pequenas salas de apoio à direcção e por um terraço, no segundo andar.
A Sociedade dos Ricos (SUB), criada em 10/10/1942 tem sede no rés-do-chão do edifício arrendado, composto por sala de entrada, salão de jogos com bilhar, sala de TV, área de bar/bufete, cozinha e logradouro onde se encontram os WC e um anexo de apoio.
Nenhuma destas duas colectividades teve ou tem qualquer actividade cultural, recreativa ou desportiva, "dedicando-se" em exclusivo à exploração de bar/bufete para os seus associados.
in, "Estado de Barrancos"

sábado, 22 de maio de 2010

Virtual!?!

O miúdo do restaurante

Entrei apressado e com muita fome no restaurante. Escolhi uma mesa bem afastada do movimento, porque queria aproveitar os poucos minutos que dispunha naquele dia, para comer e acertar alguns bugs de programação num sistema que estava a desenvolver, além de planear a minha viagem de férias, que há tempos que não sei o que são.
Pedi um filete de salmão com alcaparras em manteiga, uma salada e um sumo de laranja, afinal de contas fome é fome, mas regime é regime não é?
Abri o meu portátil e apanhei um susto com aquela voz baixinha
atrás de mim:
- Senhor, não tem umas moedinhas?
- Não tenho, menino.
- Só uma moedinha para comprar um pão.
- Está bem, eu compro um.
Para variar, a minha caixa de entrada está cheia de "e-mails".
Fico distraído a ver poesias, as formatações lindas, rindo com as piadas malucas.
Ah! Essa música leva-me até Londres e às boas lembranças de tempos áureos.
- Senhor, peça para colocar margarina e queijo.
Percebo nessa altura que o menino tinha ficado ali.
- Ok. Vou pedir, mas depois deixas-me trabalhar, estou muito ocupado, está bem?
Chega a minha refeição e com ela o meu mal-estar. Faço o pedido do menino, e o empregado pergunta-me se quero que mande o menino ir embora. O peso na consciência, impedem-me de o dizer.
Digo que está tudo bem. Deixe-o ficar. Que traga o pão e, mais uma refeição decente para ele.
Então sentou-se à minha frente e perguntou:
- Senhor o que está fazer?
- Estou a ler uns "e-mails".
- O que são "e-mails"?
- São mensagens electrónicas mandadas por pessoas via Internet (sabia que ele não ia entender nada, mas, a título de livrar-me de questionários desses):
- É como se fosse uma carta, só que via Internet.
- Senhor você tem Internet?
- Tenho sim, essencial no mundo de hoje.
- O que é Internet?
- É um local no computador, onde podemos ver e ouvir muitas coisas, notícias, músicas, conhecer pessoas, ler, escrever, sonhar, trabalhar, aprender. Tem de tudo no mundo virtual.
- E o que é virtual?
Resolvo dar uma explicação simplificada, sabendo com certeza que ele pouco vai entender e deixar-me-ia almoçar, sem culpas.
- Virtual é um local que imaginamos, algo que não podemos tocar, apanhar, pegar... é lá que criamos um monte de coisas que gostaríamos de fazer. Criamos as nossas fantasias, transformamos o mundo em quase como queríamos que fosse.
- Que bom isso. Gostei!
- Menino, entendeste o significado da palavra virtual?
- Sim, também vivo neste mundo virtual.
- Tens computador?! - Exclamo eu!!!
- Não, mas o meu mundo também é vivido dessa maneira...Virtual. A minha mãe fica todo dia fora, chega muito tarde, quase não a vejo, enquanto eu fico a cuidar do meu irmão pequeno que vive a chorar de fome e eu dou-lhe água para ele pensar que é sopa, a minha irmã mais velha sai todo dia também, diz que vai vender o corpo, mas não entendo, porque ela volta sempre com o corpo, o meu pai está na cadeia há muito tempo, mas imagino sempre a nossa família toda junta em casa, muita comida, muitos brinquedos de natal e eu a estudar na escola para vir a ser um médico um dia. Isto é virtual não é senhor???
Fechei o portátil, mas não fui a tempo de impedir que as lágrimas caíssem sobre o teclado.
Esperei que o menino acabasse de literalmente "devorar" o prato dele, paguei, e dei-lhe o troco, que me retribuiu com um dos mais belos e sinceros sorrisos que já recebi na vida e com um "'Brigado senhor, você é muito simpático!".
Ali, naquele instante, tive a maior prova do virtualismo insensato em que vivemos todos os dias, enquanto a realidade cruel nos rodeia de verdade e fazemos de conta que não percebemos!

domingo, 16 de maio de 2010

21 conselhos para viver melhor

Harvard e Cambridge publicaram recentemente um compêndio com conselhos saudáveis para melhorar a qualidade de vida de forma prática e habitual :
01- Beber um copo de sumo de laranja diariamente para aumentar o ferro e repôr a vitamina C.
02- Salpicar canela no café (mantém baixo o colesterol e estáveis os níveis de açúcar no sangue).
03- Trocar o pão tradicional pelo pão integral. O pão integral tem 4 vezes mais fibra, 3 vezes mais zinco e quase 2 vezes mais ferro que o pão branco.
04- Mastigar os vegetais por mais tempo. Isto aumenta a quantidade de químicos anticancerígenos liberados no corpo. Mastigar liberta sinigrina. E quanto menos se cozinham os vegetais, melhor efeito preventivo têm.
05- Adoptar a regra dos 80%: servir-se menos 20% da comida que costuma comer, evita transtornos gastrointestinais, prolonga a vida e reduz o risco de diabetes e ataques de coração.
06- Comer laranja. O futuro está na laranja, que reduz em 30% o risco de cancro do pulmão.
07- Fazer refeições coloridas como o arco-íris. Comer DIARIAMENTE, uma variedade de vermelho, laranja, amarelo, verde, roxo e branco em frutas e vegetais, cria uma melhor mistura de antioxidantes, vitaminas e minerais.
08- Comer pizza, macarronada ou qualquer outra coisa com molho de tomate. Mas escolha as pizzas de massa fininha. O licopeno, um antioxidante dos tomates pode inibir e ainda reverter o crescimento dos tumores; e ademais é melhor absorvido pelo corpo quando os tomates estão em molhos para massas ou para pizza.
09- Limpar e torcar a sua escova de dentes regularmente. As escovas podem espalhar gripes e resfriados e outros germes. Assim, é recomendado lavá-las com água quente pelo menos quatro vezes à semana (aproveite o banho no chuveiro), sobretudo após doenças, quando devem ser mantidas separadas de outras escovas.
10- Realizar actividades que estimulem a mente e fortaleçam a sua memória... Faça alguns testes ou quebra-cabeças, palavras-cruzadas, aprenda um idioma, alguma habilidade nova... Leia um livro e memorize parágrafos; escreva, estude, aprenda. A sua mente agradece e os seus amigos também, pois é interessante conversar com alguém que tem assunto.
11- Usar fio dental e não mastigar chicletes. Acreditem ou não, uma pesquisa deu como resultado que as pessoas que mastigam chicletes têm mais possibilidade de sofrer de arteriosclerose, pois tem os vasos sanguíneos mais estreitos, o que pode preceder a um ataque do coração. Usar fio dental pode acrescentar seis anos a sua idade biológica porque remove as bactérias que atacam os dentes e o corpo.
12- Rir. Uma boa gargalhada é um "mini-workout", um pequeno exercício físico: 100 a 200 gargalhadas equivalem a 10 minutos de corrida. Baixa o stresse e acorda as células naturais de defesa e os anticorpos.
13- Não descascar os vegetais ou frutos com antecipação. Os vegetais ou frutos, sempre frescos, devem ser cortados e descascados na hora em que forem consumidos. Isso aumenta os níveis de nutrientes contra o cancro. Os sumos de fruta têm que ser tomados assim que são preparados.
14- Ligar para os seus parentes/pais de vez em quando. Um estudo da Faculdade de Medicina de Harvard concluiu que 91% das pessoas que não mantém um laço afectivo com os seus entes queridos, particularmente com a mãe, desenvolvem os níveis da tensão alta, do alcoolismo ou de doenças cardíacas em idade temporã.
15- Desfrutar de uma chávena de chá. O chá comum contém menos níveis de antioxidantes que o chá verde, e beber só uma chavena diária desta infusão diminui o risco de doenças coronárias. Cientistas israeletas concluíram também, que beber chá aumenta a sobrevivência depois de ataques do coração.
16- Ter um animal de estimação. As pessoas que não têm animais domésticos sofrem mais de stress e visitam o médico regularmente, dizem os cientistas da Cambridge University. As mascotes fazem você sentir-se optimista, relaxado e isso baixa a pressão do sangue.
Os cães são os melhores, mas até um peixinho dourado pode causar um bom resultado.
17- Colocar tomate ou verduras frescas no sanduíche. Uma porção de tomate por dia baixa o risco de doença coronária em 30%, segundo cientistas da Harvard Medical School.
18- Reorganizar o frigorífico. As verduras colocadas em qualquer lugar do seu frigorífico perdem substâncias nutritivas, porque a luz artificial do equipamento destrói os flavonóides que combatem o cancro que todo vegetal tem. Por isso, é melhor usar á área a elas reservada, aquela caixa bem embaixo ou guardar num "tapeware" escuro e bem fechado.
19- Comer como um passarinho. A semente de girassol e as sementes de sésamo nas saladas e cereais são nutrientes e antioxidantes. E comer nozes entre as refeições reduz o risco de diabetes.
20- Uma banana por dia quase dispensa o médico, vejamos: "Pesquisa da Universidade de Berkeley" - A banana previne a anemia, a tensão arterial alta, melhora a capacidade mental, cura ressacas, alivia azia, acalma o sistema nervoso, reduz o risco de enfarto, e tantas outras coisas mais...
21- e, por último, um mix de pequenas dicas para alongar a vida: 
- comer chocolate. Duas tabletes por semana prolongam em um ano a vida. O amargo é fonte de ferro, magnésio e potássio.
- pensar positivamente. Pessoas optimistas podem viver até 12 anos mais que os pessimistas, que, além disso, apanham gripes e resfriados mais facilmente, são menos queridos e mais amargos.
- ser sociável. Pessoas com fortes laços sociais ou redes de amigos têm vidas mais saudáveis que as pessoas solitárias ou que só têm contacto com a família.
- conhecer-se a si mesmo. Os verdadeiros crentes e aqueles que  privilegiam o "ser" sobre o "ter", têm 35% de probabilidade de viver mais tempo, e de ter mais qualidade de vida...
'Não parece tão sacrificante, não é verdade? Uma vez incorpora-dos, os conselhos, facilmente se tornam hábitos... É exactamente o que diz uma certa frase de Séneca:
"Escolha a melhor forma de viver e o costume a tornará agradável!"

"Crie bons hábitos e torne-se escravo deles, como costumamos ser dos maus hábitos."

sábado, 15 de maio de 2010

Partida?!? / Despedida?!?

Ela deu um pulo assim que viu o cirurgião a sair da sala de operações.
Perguntou:
- Como é que está o meu filho? Ele vai ficar bom? Quando é que eu posso vê-lo?
O cirurgião respondeu:
- Tenho pena. Fizémos tudo, mas o seu filho não resistiu.
Sally perguntou:
- Por que razão é que as crianças pequenas tem cancro? Será que Deus não se preocupa? (Aonde estavas Tu, Deus, quando o meu filho necessitava?)
O cirurgião perguntou:
- Quer algum tempo com o seu filho? Uma das enfermeiras irá trazê-lo dentro de alguns minutos e depois será transportado para a Universidade.
Sally pediu à enfermeira para ficar com ela enquanto se despedia do filho. Passou os dedos pelo seu cabelo ruivo.
- Quer um cachinho do cabelo do menino? - perguntou a enfer-meira.
Sally abanou a cabeça afirmativamente.
A enfermeira cortou o cabelo e colocou-o num saco de plástico, entregando-o a Sally.
- Foi ideia do Jimmy doar o seu corpo à Universidade porque assim talvez pudesse ajudar outra pessoa, disse Sally. No início eu disse que não, mas o Jimmy respondeu:
- Mãe, eu não vou necessitar do meu corpo depois de morrer. Talvez possa ajudar outro menino a ficar mais um dia com a sua mãe.
Ela continuou:
- O meu Jimmy tinha um coração de ouro. Estava sempre a pensar nos outros. Sempre disposto a ajudar no que pudesse.
Depois de aí ter passado a maior parte dos últimos seis meses, Sally saiu do "Hospital Children's Mercy" pela última vez.
Colocou o saco com as coisas do seu filho no banco do carro ao lado dela. A viagem para casa foi muito difícil e foi ainda mais difícil entrar na casa vazia.
Levou o saco com as coisas do Jimmy, incluindo o cabelo, para o quarto do seu filho. Começou a colocar os carros e as outras coisas no quarto exatamente nos locais onde ele sempre os tinha tido.
Deitou-se na cama dele, agarrou a almofada e chorou, chorou  até que adormeceu.
Era quase meia-noite quando acordou e ao lado dela estava uma carta.
A carta dizia:
- Querida Mãe,
Sei que vais ter muitas saudades minhas; mas não penses que me vou esquecer de ti, ou que vou deixar de te amar só porque não estou por perto para dizer: "AMO-TE". Eu vou sempre amar-te cada vez mais, Mãe, por cada dia que passe.
Um dia vamos estar juntos de novo. Mas até chegar esse dia, se quiseres adoptar um menino para não ficares tão sozinha, por mim está bem.
Ele pode ficar com o meu quarto e as minhas coisas para brincar. Mas se preferires uma menina, ela talvez não vá gostar das mesmas coisas que nós, rapazes, gostamos. Vais ter que comprar bonecas e outras coisas que as meninas gostam, tu sabes.
Não fiques triste a pensar em mim. Este lugar é mesmo fantástico!
Os avós vieram receber-me assim que eu cheguei, para mostrar-me tudo, mas vai demorar muito tempo para eu poder ver tudo.
Os Anjos são mesmo lindos! Adoro vê-los a voar!
E sabes uma coisa?... O Jesus não parece nada como se vê nas fotos, embora quando o vi o tenha conhecido logo. Ele levou-me a visitar Deus!
E sabes uma coisa?... Sentei-me no colo d'Ele e falei com Ele, como se eu fosse uma pessoa importante. Foi quando lhe disse que queria escrever-te esta carta, para te dizer adeus e tudo mais.
Eu já sabia que não era permitido.
Mas sabes uma coisa Mãe?... Deus entregou-me papel e a sua caneta pessoal para eu poder escrever-te esta carta. Acho que Gabriel é o anjo que ta vai entregar.
Deus disse para responder a uma das perguntas que tu Lhe fizeste, "Aonde estava Ele quando eu mais precisava?" Deus disse que estava no mesmo sítio, tal e qual, quando o filho dele, Jesus, foi crucificado. Ele estava presente, tal e qual como está com todos os filhos dele.
Mãe, só tu é que consegues ver o que eu escrevi, mais ninguém. As outras pessoas veem este papel em branco.
É mesmo maravilhoso não é!?...
Eu tenho que devolver a caneta a Deus para ele poder continuar a escrever no seu Livro da Vida.
Esta noite vou jantar na mesma mesa com Jesus. Tenho a certeza que a comida vai ser boa.
Estava quase a esquecer-me: já não tenho dores, o cancro já se foi embora. Ainda bem, porque já não podia mais e Deus também não podia ver-me assim. Foi quando ele enviou o Anjo da Misericórdia para me vir buscar. O anjo disse que eu era uma encomenda especial!
O que dizes a isto?...
Assinado com Amor de Deus, Jesus e de Mim.

(Relato, verdadeiro ou não, divulgado na internet, que pode servir para reflectirmos sobre a transitoriedade da vida!!!) 

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Violência doméstica

Enquanto gritas à tua mulher, companheira ou namorada, há um homem desejando sussurrar-lhe ao ouvido, palavras doces. Enquanto a humilhas, ofendes e insultas, há um homem cortejando-a e recordando-lhe que é uma boa mulher. Enquanto lhe bates, há um homem desejando dar-lhe amor. Enquanto a fazes chorar, há um homem que lhe rouba sorrisos.
Protesta contra a violência doméstica.

Memoria de la Frontera - o documentário


"Memoria de la Frontera", é o nome do documentário que exibido no Salon de Actos, da Faculdade de Direito da Universidade de Huelva (Campus de «El Carmen», Avenida de las Fuerzas Armadas, S/N. 21071 Huelva).
O documentário foi realizado por Davinia Román, com o apoio da Associacion de Descendientes del Exilio Español. As filmagens, que decorreram nas zonas de Huelva e no Baixo Alentejo, incluindo Barrancos, contaram com a colaboração do historiador Francisco Espinosa (Espanha), da antropóloga Dulce Simões (Portugal), e os investigadores de Huelva, Augusto Thassio e Antonio Rodríguez Guillén. Os protagonistas indiscutíveis deste registo histórico são os 16 sobreviventes (homens e mulheres) que tiveram a amabilidade e a coragem de partilhar as suas vivências e recordações da guerra e do pós-guerra civil vivido na Espanha franquista.

Sinopse (em espanhol):
Durante la Guerra Civil española y la posguerra la frontera hispano-portuguesa presenció acontecimientos singulares. La represión ejercida por parte de los sublevados en la provincia de Huelva, obligó a muchos onubenses a buscar refugio en Portugal. La dictadura de Salazar apoyó desde el primer momento a los golpistas españoles, sin embargo hubo población portuguesa que ayudó a los huidos brindándoles refugio y alimento. Otros en cambio, no corrieron la misma suerte en su huida y fueron encarcelados o devueltos a los insurrectos. Algunos republicanos, utilizaron también su estancia en Portugal como paso intermedio al exilio en otros países. Durante los duros años de la posguerra, la escasez de alimento intensificó el comercio ilegal con Portugal. El denominado “Contrabando del hambre” fue para muchas familias onubenses la única forma de subsistencia.
in, Estado de Barrancos

DIA DA ESPIGA

A quinta-feira da Ascensão é uma festa religiosa católica. Celebra a ascensão de Jesus ao Céu, depois de ter sido crucificado e de ter ressuscitado. Há locais onde é mesmo um dia feriado.
Este dia (a Ascensão) ocorre cerca de quarenta dias depois da Páscoa, e é sempre a uma quinta-feira. E, é também, sempre nesta data, que se celebra o Dia da Espiga ou Quinta-Feira da Espiga.
Cada elemento simboliza um desejo:
A espiga simboliza o pão, isto é, que nunca falte comida, que haja abundância.
As folhas de oliveira simbolizam a paz e a luz divina (a pomba da paz traz no bico um ramo de oliveira e antigamente as pessoas usavam o azeite nas lamparinas para iluminar as casas).
As flores (malmequeres, papoilas, etc.) simbolizam a alegria o ouro a prata e o amor.

Fotografia de Charcofrio

O ramo é guardado ao longo do ano, até ao Dia de Espiga do ano seguinte, pendurado algures dentro de casa.
Acredita-se que este costume, que surge mais no centro e sul de Portugal, nasceu de um antigo ritual cristão, que era a bênção aos primeiros frutos.
No entanto, por ter tanta ligação com a Natureza, pensa-se que vai muito mais atrás no tempo, talvez de antigas tradições pagãs associadas às festas da deusa Flora que aconteciam por esta altura e às quais se mantém ligada a tradição dos Maios e das Maias.
in, Cores e cheiros